HISTÓRICO

31/10/2020

Fundado em 2002, o Instituto Homem Pantaneiro (IHP) é uma organização da sociedade civil, sem fins lucrativos, que atua na preservação do bioma Pantanal e da cultura local. Dentre as atividades desenvolvidas pelo IHP destaca-se a gestão de áreas protegidas, o desenvolvimento de pesquisas e a promoção de diálogo entre os atores com interesse na área. 
 
Tem sede em Corumbá (Mato Grosso do Sul, Brasil), município localizado no Pantanal sul-matogrossense, na Casa Vasquez & Filhos. Construído em 1800, o imóvel da sede foi revitalizado pelo IHP e é tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN).   
 
Em 2004, um grande projeto nasce no IHP com o nome de Moinho Cultural, inicialmente atendendo, com música e balé, 180 crianças em situação de risco. Com o desenvolvimento de suas atividades e magnitude de suas ações, ficou claro que IHP e Moinho Cultural poderiam ser instituições irmãs. Sendo assim, em 2011, a participação no Programa de Ganho de Escala Ashoka-Mckinsey contribuiu para que os gestores do projeto decidissem criar o Instituto Moinho Cultural, uma organização independente. Para concretizar ambas instituições, houve a alteração na Razão Social e no CNPJ, ficando o CNPJ inicial com o Instituto Moinho Cultual Sul-Americano com a concentração de esforços numa única área de atuação (sociocultural).  
 
A partir de 2012, o IHP dá sequência em suas atividades com foco em desafios ambientais com novo CNPJ. Assim, segue firmando parcerias importantes, como com Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (IBAMA), Marinha do Brasil e Policia Militar Ambiental do Mato Grosso do Sul, através de termos de colaboração e trabalhos conjuntos desenvolvidos em Corumbá, e na Serra do Amolar. Pela excelência em sua atuação e importância regional por parcerias em todos os setores, público e privado, a instituição recebeu o Título de Utilidade Pública Municipal de Corumbá, em 2017. 

Instituto Homem Pantaneiro © 2015.